fbpx
a relação da nutrição e esquizofrenia
nutrição e esquizofrenia

Quer saber como a Nutrição e Esquizofrenia – além de outras doenças neurológicas – estão relacionadas? Então leia o texto abaixo.

A esquizofrenia é um distúrbio psiquiátrico classificado entre as
dez principais causas mundiais de incapacidade a longo prazo.

Trata-se de uma alteração cerebral que dificulta o correto julgamento sobre a realidade, a produção de pensamentos simbólicos e abstratos, além da elaboração de respostas emocionais mais complexas.

Geralmente está relacionada à um prejuízo cognitivo, perceptual e comportamental.

Vale ressaltar que a esquizofrenia não é um problema de dupla personalidade (distúrbio de múltipla personalidade).

A sua causa parece estar associada à diversos fatores de riscos, embora a fisiopatologia dessa doença ainda não ter sido completamente elucidada.

Embora a maioria acha ser um distúrbio de múltiplas personalidades, trata-se de uma doença crônica e complexa que exige tratamento para toda a vida.

5 Fatores Relacionados à Nutrição e Esquizofrenia

Veja abaixo alguns fatores que estão relacionados à nutrição e esquizofrenia:

  • Intolerância a certos alimentos e substâncias químicas. (os que são geralmente culpados: leite, glúten, fumaça de cigarro e gasolina.
  • Deficiências e/ou dependências nutricionais (necessidades anormais de certos nutrientes. Em geral, vitamina B3 ou B6 e zinco “Pirolúria“)
  • Excesso ou deficit de determinados ácidos graxos.
  • Infecções (que tenham sido desenvolvidas durante a gestação ou atuais).
  • Metabolismo anormal de carboidratos.

É sabido que a esquizofrenia é uma doença química cerebral decorrente de alterações em neurotransmissores e nas vias neuronais.

Alguns pontos a se considerar relacionados a nutrição e esquizofrenia:

  • Dieta e fatores nutricionais estão relacionados à patogênese de doenças neurológicas;
  • A desnutrição é comum em pacientes neurológicos e pode aumentar o risco de mortalidade e complicações clínicas;
  • A diminuição da ingestão de alimentos é um dos principais fatores que levam à desnutrição em pacientes com doenças neurológicas;
  • Os distúrbios neurológicos podem estar associados a alterações no gasto energético em repouso (TMB), levando a hiper ou hipo-metabolismo.

    O estado nutricional, a composição corporal e a função neuromuscular alterada podem ser responsáveis por essas alterações.

Não se sabe ao certo os mecanismos cerebrais que causam os sintomas relacionas à esquizofrenia.

Os sintomas da esquizofrenia podem estar relacionados a uma ou mais das seguintes substâncias químicas:

  • prostaglandinas,
  • endorfinas,
  • prolactina,
  • desiquilíbrios de serotonina,
  • dopamina,
  • prolactina,
  • leucina, e
  • plaquetas deficientes em monoamino oxidase.

Posto que todas essas substâncias químicas do corpo são produzidas por nutrientes, as manobras nutricionais escolhidas são propostas na tentativa de equilibrar o nível dessas substâncias.

Nutrição e Esquizofrenia – A Relação com outras doenças

Nutrição e Esquizofrenia. Existe uma estreita relação entre nutrição e doenças neurológicas.

Alguns fatores nutricionais podem estar envolvidos na patogênese de doenças neurológicas (1).

A dieta pode favorecer a aterosclerose (inflamação e formação de placas de gordura nas artérias do coração) e a doença isquêmica neurológica.

A alta ingestão de gordura saturada e sal, uma dieta precária/baixa em frutas e vegetais, estão relacionadas a um maior risco de derrame (2).

Veja Macronutrientes Associados a Doenças Cardiacas

A deficiência e insuficiência de vitamina D têm sido associadas à esclerose múltipla (3).

A etiologia da esclerose lateral amiotrófica (ELA) está longe de ser clara; alguns fatores dietéticos, incluindo alta ingestão de frutas e vegetais, foram relatados para diminuir o risco da doença em estudos de controle de caso (4).

Conheça 7 Frutas Para Emagrecer

Meta-análises de estudos de corte, compreendendo mais de um milhão de indivíduos, demonstraram um papel protetor da ingestão de ácidos graxos ômega-3 (5) e carotenóides (6) na ELA.

Estudos epidemiológicos constataram que o alto consumo de frutas, vegetais e peixes foi inversamente associado ao risco de doença de Parkinson (DP).

Padrões alimentares característicos de uma dieta mediterrânea estão surgindo como uma poderosa alternativa neuroprotetora (7).

Além disso, a dieta mediterrânea pode diminuir o risco de desenvolver Alzheimer em pacientes com comprometimento cognitivo leve (8).

botao 6
Clique no botão acima para saber mais

A neuropatia periférica pode ser causada por deficiência de vitaminas (em especial, a tiamina e a vitamina B6).

Nutrição e Esquizofrenia – Taxa de Mortalidade

nutrição e esquizofrenia. Pacientes diagnosticados com essa doença tem maior taxa de mortalidade.
Pacientes diagnosticados com esquizofrenia tem maior taxa de mortalidade.

A população diagnosticada com esquizofrenia, possui uma taxa de mortalidade alta e bem expressiva.

Aproximadamente 60% das mortes parecem estar atribuídas aos efeitos da doença como suicídio ou síndromes metabólicas, demonstrando características dessa condição incluindo:

Essas condições são resultado de um conjunto de fatores e, dentre eles, o tratamento com medicações anti-psicóticas.

Motivo esse que tem aumentado a taxa de descontinuação do tratamento farmacológico.

Nutrição e Esquizofrenia. Pesquisas recentes sugerem que a tolerância à glicose e a resistência a insulina podem ter um papel importante no surgimento desse distúrbio neurológico.

Isso porque embora o cérebro constitua apenas 2% da massa corporal, estima-se que ele consiga consumir até 65% do fornecimento total de glicose.

Assim sendo, estratégias nutricionais podem exercer um papel coadjuvante importante no tratamento da Esquizofrenia.

Nutrição e Esquizofrenia – Estratégias Nutricionais

dieta cetogenica otima estrategia para a esquizofrenia
Créditos da Imagem: internetresponsavel.com.br

Dentro disso, a dieta cetogênica pode ser uma alternativa para remissão dos sintomas da esquizofrenia.

Essa dieta é uma variação da famosa “low carb“, ou seja, o indivíduo irá reduzir o máximo possível seu consumo de carboidratos e irá aumentar a ingestão de gorduras boas.

O que muita gente confunde é que para se entrar no estado de cetose, é necessário um baixo consumo de proteínas também, caso contrário, haverá o processo de gliconeogênese (dos quais, um das vias é a transformação de aminoácidos em glicose)

Nutrição e Esquizofrenia. A dieta cetogênica é capaz de exercer efeitos positivos no cérebro, pelo fato de fornecer cetonas em oposição à glicose, proporcionando assim, melhorias para a: resistência a insulina, biogênese e função mitocondrial, além da diminuição da inflamação.

Efeitos Colaterais dos Medicamentos para Esquizofrenia

Devido a serie de efeitos colaterais provenientes dos medicamentes para esquizofrenia, os médicos e nutricionistas, que trabalham em conjunto, estão adotando uma posição mais natural perante aos remédios.

Um estudo realizado em 1970, médicos ortomoleculares trataram a a esquizofrenia com um nutriente chamado “colina” (matéria-prima para a acetilcolina, substancia química que atua no cérebro).

Algumas vezes também é utilizado o manganês, pois os medicamentos (tranquilizantes / calmantes) podem causar deficiência desse nutriente (manganes), sendo que este auxilia o organismo na utilização de outros nutrientes.

Nutrição e Esquizofrenia: Suplementação Indicada

O mais indicado como suplementação para a esquizofrenia seria a utilização de vitaminas do complexo B, mais especificadamente a vitamina B3 (em especial, para os pacientes de esquizofrenia aguda).

Qual a influência da Vitamina B3 nos processos mentais?

Nutrição e Esquizofrenia: Vitamina B3

A vitamina B3 pode ajudar na atividade da acetilcolina podendo assim aumentar os níveis de serotonina, que é um tranquilizante natural.

A Nicotinamida Adenina Dinucleotídeo – NAD (forma da vitamina B3), é uma coenzima necessária ao correto funcionamento de áreas vitais do cérebro.

Na esquizofrenia ocorre uma falha no fornecimento de suficiente quantidade dessa coenzima (NAD) ao cérebro.

A vitamina B3 é necessária para a transformação do triptofano.

Caso exista realmente uma deficiência de niacina (vitamina B3), então essa transformação do triptofano em NAD é interrompida e ocorre, não somente uma deficiência de nicotinamida, mas também uma sobrecarga de triptofano.

Triptofano é ótimo, contudo, em excesso, pode ocasionar mudanças de humor negativas. (voltamos no ponto de que tudo deve haver um equilibrio).

Fontes de B3 (Niacina):

  • amendoim,
  • Castanha do Pará,
  • fígado de boi,
  • batata doce,
  • cenoura,
  • carnes magras,
  • abacate,
  • cereais integrais,
  • brócolis, e
  • ovos.

E a Vitamina B6 qual sua influencia nos processos mentais?

Nutrição e Esquizofrenia: Vitamina B6

A vitamina B6 está envolvida no metabolismo do triptofano-niacina, além dela ser precursora de mais de 60 reações enzimáticas.

A piridoxina é necessária para o metabolismo adequado de todos os aminoácidos, sendo necessária para a manutenção do sistema imunológico.

Uma substância chamada Kryptopyrrole (KP) também chamada de “Mauve Factor” tem sido observada em quantidades anormais na urina de pacientes psiquiátricos esquizofrênicos.

Esta substância se une à vitamina B6 e zinco esgotando-as mais rapidamente do organismo.

Obs.: níveis altos de Kryptopyrrole também foram observados em:

  • Autistas,
  • pacientes com Transtorno do Déficit de Atenção (TDHA),
  • hiperativos,
  • aqueles com Transtorno Bipolar,
  • Síndrome de Down e
  • alcoólatras.

Fontes de piridoxina (vitamina B6): atum, salmão, nozes, amendoins, avelãs, milho e cereais de grão integral.

Nutrição e Esquizofrenia: Estudos Recentes

Em 2017, foi publicado um artigo com 2 relatos de casos com esquizofrenia relacionados a nutrição.

Os pacientes estudados foram submetidos à dieta cetogênica, resultando no aumento na remissão/alívio de sintomas psicóticos.

A primeira paciente foi uma senhora de 82 anos, que já teve numerosas tentativas de suicídio e administrou 7 medicamentos.

Posteriormente, após adotar o padrão de dieta cetogênica evoluiu para cessação da medicação e não teve mais nenhum sintoma.

A segunda trata-se de uma mulher de 39 anos que passou o uso de 14 medicações para apenas uma, além de apresentar redução de peso significativa.

No entanto a dieta cetogênica deve ser aplicada em casos específicos, sendo que hoje se tornou banalizada por “pseudo-conhecedores”.

Quer saber mais sobre aplicabilidades da dieta cetogênica? Procure um nutricionista esportivo online para te auxiliar.

botao favorito
Clique no botão acima para saber mais

Texto por: Silverio Neto

 silverio neto

Contribuição do texto: Bruno Rodrigo

Siga nosso parceiro no Instagram, para mais conteúdos do tipo, CLIQUE NO BOTÃO ABAIXO:

instagram silverio neto

Ref.: 1.Breton I, Burgos R, Planas M. Nutrición en las enfermedades neurológicas. En: Tratado de Nutrición. 2ª Edición. Ed A. Gil. Panamericana. Madrid, 2010.

2.Medeiros F, Casanova M de A, Fraulob JC, Trindade M. How can diet influence the risk of stroke? Int J Hypertens. 2012;2012:763507.

3.Alharbi FM. Update in vitamin D and multiple sclerosis. Neurosciences (Riyadh).2015;20:329-35.

4.Jin Y, Oh K, Oh SI, Baek H, Kim SH, Park Y. Dietary intake of fruits and beta-carotene is negatively associated with amyotrophic lateral sclerosis risk in Koreans: a case-control study. Nutr Neurosci. 2014;17:104-8.

5.Fitzgerald KC, O’Reilly ÉJ, Falcone GJ, McCullough ML, Park Y, Kolonel LN, Ascherio A. Dietary ω-3 polyunsaturated fatty acid intake and risk for amyotrophic lateral sclerosis. AMA Neurol.2014;71:1102-10.

6.Fitzgerald KC1, O’Reilly ÉJ, Fondell E, Falcone GJ, McCullough ML, Park Y, Kolonel LN, Ascherio A. Intakes of vitamin C and carotenoids and risk of amyotrophic lateral sclerosis: pooled results from 5 cohort studies. Ann Neurol.2013;73:236-45.

Ref. LAZARUS, Pat. A Cura da mente através da Terapia Nutricional. Editora Campus. Rio de Janeiro. 1995. PHILPOTT, W. H.; KALITA, D. K. Brain Allergies. The Psychonutrient and Magnetic Connections. Second edition. Keats Publishing. Los Angeles.2000

https://geisamoterani.wordpress.com/2010/09/25/esquizofrenia-uma-abordagem-ortomolecular-e-nutricional/

[1] Harris, L.W., et al., Schizophrenia: Metabolic aspects of aetiology, diagnosis and future treatment strategies. Psychoneuroendocrinology (2012), http://dx.doi.org/10.1016/j.psyneuen.2012.09.009

[2] : C.M. Palmer, J. Gilbert-Jaramillo and E.C. Westman, The ketogenic diet and remission of psychotic symptoms in schizophrenia: Two case studies, Schizophrenia Research, https://doi.org/10.1016/j.schres.2019.03.019

Tags: | | | | | | |

Sobre o Autor

Bruno Rodrigo "BR" (da Nutrição)
Bruno Rodrigo "BR" (da Nutrição)

Bruno Rodrigo "BR", quando jovem, era um "gordinho" inseguro e só queria ter a tal "barriga tanquinho". Desde então, ele vem pesquisando sobre nutrição e exercício físico há mais de 11 anos. Morou por anos no Canada e lá se profissionalizou estudando a fundo as mais avançadas estratégias nutricionais. Fundou em 2019 a "BR da Nutrição", uma empresa especializada em emagrecimento e ganho de massa muscular que tem revolucionado e transformado a vida de milhares de pessoas. Hoje, sua missão é ajudar o máximo de pessoas possível a alcançarem o corpo que desejam, o peso ideal e a máxima saúde. Para saber mais sobre sua historia, clique aqui.

0 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Solicitar exportação de dados

Utilize este formulário para solicitar uma cópia dos seus dados neste site.

Solicitar remoção de dados

Utilize este formulário para solicitar a remoção dos seus dados neste site.